terça-feira, 20 de junho de 2017

Quando a notícia passou a ser um não-acontecimento


A notícia passou agora a ser:

"Afinal não caiu um Canadair em Pedrogão"

Os jornalistas da SIC (só falo destes porque tem sido o canal por onde tenho acompanhado os acontecimentos) estão desolados.

Deram a notícia da queda de um Canadair, o que lhes daria mais umas horas de tagarela em loop, e a queda não se confirmou.

De repente parou tudo.

As imagens repetidas até à exaustão dos carros queimados na "estrada da morte" já deixavam de ser matéria e o impacto das novas imagens de um Canadair destroçado, de preferência filmado por um drone, passariam a ser uma "caixa" fantástica para manter o pessoal atento aos ecrãs.

Galo, galo, galo!

É o que dá a excitação das notícias que são disparadas sem confirmação e já não é só do Correio da Manha que estou a falar.

Nota 1: como ainda não tinha referido neste Blog a consternação que sinto pelo devastador incêndio que desde Sábado queima o centro do País, deixo agora e aqui esta nota de pesar, principalmente pelas vidas que se perderam. Esse sentimento não me abafa, no entanto, a crítica que acima faço.
Se a consternação é minha (e de todo o País de luto) e de pouco serve, entendi não deixar passar uma das muitas revoltas que sinto no meio de tudo isto. O espectáculo mediático que se monta à volta destas tragédias (de que a anormalidade perpetrada por Judite de Sousa foi o expoente máximo) é desumano e macabro.

Nota 2: Há cinco minutos que a notícia de abertura do Jornal da Noite da SIC é:
"Não temos notícia. O tal Canadair não caiu" (faltou-lhes o ... infelizmente não caiu)
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.057/2017]

2 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Boa malha!

Anónimo disse...

Pois é, concordo inteiramente, mas, e há sempre um mas, porquê continuar a alimentar o monstro? E no fundo é tão simples, basta esquecer essa coisa televisão. Bem, pelo menos os canais generalistas e informativos, são puro lixo, um autêntico aterro de porcaria.

Porque no fundo a culpa é de quem assiste a isso, eles só dão o que se procura. Eu pela parte que me toca, faz anos e anos que não vejo um serviço informativo, ou dito informativo, veiculado pela televisão. Mas também já não vejo televisão há muito, muito tempo.

Pois, há essa coisa da imagem e não sei quê, mas isso é o mesmo que ter que espreitar quando há acidentes, é curiosidade macabra. Enfim, sei que isto não vai acontecer, porque a dependência da imagem em movimento é um monstro que veio para ficar, mas ao menos tentemos ser mais seletivos.

Não vejo televisão faz muitos anos, e ainda assim continuou informado e com acesso a bom e variado entretenimento. Há tantos livros, tantas músicas, tantos filmes e até tantos jogos neste mundo...

Um abraço

G F